Diagnóstico: auto-ilusão

Os 31,700 que se apresentaram supostamente para ir a guerra contra os Midianitas sofriam de uma doença muito comum: a auto-ilusão.

Diziam e pensavam uma coisa, mas na verdade queriam outra. E o pior é que nem eles sabiam disso.
 
Se alguém perguntasse a algum daqueles homens: “Você quer a libertação de Israel? Está cansado de viver na caverna com a sua família? Quer voltar a ter paz e prosperidade?” — Sim, sim, e SIM! – Seriam as respostas.
 
———————————————————–
Mas o que eles FAZIAM negava sua suas palavras.
———————————————————–
 
O que você diz que quer nem sempre é o que você quer. O que você pensa que quer pode ser bem diferente do que você realmente busca. Não se engane. O que você realmente quer é o que você faz, não o que fala ou pensa.
 
Você é o resultado do que você faz.
 
Sim, antes de fazer tem que vir o pensamento, e esse pensamento pode até ser expressado em palavras – mas se morre aí, sem ser agido, ele na verdade nunca nasceu.
 
Essa é a diferença entre a simples oração e o sacrifício. Ora quem espera um sim. Sacrifica quem não aceita o não.
 
P.S. O que os 31,700 realmente queriam era a sobrevivência pessoal, demonstrado pelo que fizeram. Se quisessem ver Israel livre, sair da caverna com a família e viver em paz e prosperidade, teriam dado a vida como os 300. Certamente, não criam que era possível a vitória.
Image: Internet

Thiago Teixeira

Idealizou o Filhos da Fé junto de seu amigo, Amaury. Desenvolve seu talento diariamente em prol do amor as almas. | Email: thiago@filhosdafe.blog.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *