Os fundamentos da vida no altar

Quando o homem de Deus tem a sua vida no altar, ele tem fome e sede de ganhar almas.

Considerando que o homem de Deus tem realmente a sua vida disposta no altar, ou seja, corpo, alma e espírito no altar, verificam-se alguns mandamentos fundamentais para que o servo seja usado para gerar filhos de Deus e, assim, glorificar ao Senhor Jesus.

A consideração que ele tem com o povo deve ser exatamente a mesma que tem com Deus, pois assim está escrito: “Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê.” (1 João 4.20). Também é obrigação do homem de Deus chorar na luta pelo povo que Deus lhe tem enviado. 

Cada homem de Deus representa o Senhor Jesus, e cada pessoa que chega à igreja é enviada pelo Espírito Santo, a fim de que o Seu servo mostre o caminho da Salvação àquela criatura; e, uma vez salva, ela irá glorificar ao Senhor Jesus. Foi por isso que Ele disse: “Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer…” (João 6.44). 

Além disso, o Senhor Deus disse, através do Seu servo Joel: “Chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, entre o pórtico e o altar, e orem: Poupa o teu povo, ó Senhor, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que as nações façam escárnio dele. Por que hão de dizer entre os povos: Onde está o seu Deus?” (Joel 2.17). Quando o homem de Deus tem a sua vida no altar, jamais faz a Obra relaxadamente. 

Quando o homem de Deus tem a sua vida no altar, ele tem fome e sede de ganhar almas. E, enquanto isso não acontece, ele se sente tal qual se sentiam Sara, Raquel e Ana. Elas sentiam amargura de alma, vergonha e humilhação. Esses sentimentos estão sempre importunando o homem de Deus “estéril”. Por isso, ele não se envergonha de chorar diante de Deus pedindo almas. 

A alegria e o gozo do homem de Deus acontecem quando ele vê, diante de seus olhos, as pessoas nascerem de novo. Não há satisfação maior para aquele que tem a vida no altar do que ver pessoas que outrora pertenciam ao reino das trevas tendo, hoje, a plenitude do Espírito Santo. Ele pode, então, vê-las com semblantes limpos, alegres e felizes, glorificando o nome do Senhor Jesus Cristo. 

Finalmente, o homem de Deus, que tem a vida no altar, não se preocupa apenas em ganhar as pessoas para o Senhor Jesus, mas, sobretudo, fazê-las discípulas. Esta, aliás, é a característica mais acentuada do homem de Deus consagrado: ele se preocupa em fazer discípulos mais do que qualquer outra coisa, pois sabe que o desenvolvimento do Reino de Deus neste mundo depende de homens que tenham o mesmo caráter do Senhor Jesus.

Camila Teixeira

Casada e serva de Deus. Vivo pela fé inteligente e tenho como objetivo aprender e ensinar | camila@filhosdafe.blog.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *